domingo, 18 de novembro de 2012

A morte não é nada


A morte não é nada. 
Eu somente passei 
para o outro lado do Caminho.

Eu sou eu, vocês são vocês.
O que eu era para vocês, 
eu continuarei sendo.

Me dêem o nome 
que vocês sempre me deram, 
falem comigo 
como vocês sempre fizeram.

Vocês continuam vivendo 
no mundo das criaturas, 
eu estou vivendo 
no mundo do Criador.

Não utilizem um tom solene 
ou triste, continuem a rir 
daquilo que nos fazia rir juntos.

Rezem, sorriam, pensem em mim.
Rezem por mim.

Que meu nome seja pronunciado
como sempre foi, 
sem ênfase de nenhum tipo.
Sem nenhum traço de sombra
ou tristeza.

A vida significa tudo 
o que ela sempre significou, 
o fio não foi cortado.
Porque eu estaria fora 
de seus pensamentos,
agora que estou apenas fora 
de suas vistas?

Eu não estou longe, 
apenas estou 
do outro lado do Caminho...

Você que aí ficou, siga em frente,
a vida continua, linda e bela
como sempre foi.

Santo Agostinho

terça-feira, 17 de julho de 2012

Pessoas artificiais


Hoje eu estava pensando sobre isso: somos rodeados de pessoas artificiais, superficiais, com máscaras sociais.
Corpos artificiais, personalidades superficiais, nada em profundidade...
A imagem é algo primordial para essas pessoas. Não sabem sorrir, nem chorar de verdade. Não sabem falar verdades...Não sabem viver!
Um professor meu uma vez perguntou pra turma: "Quantos anos vocês viveram?!" A pergunta não foi "qual a idade de vocês?" e sim "quantos anos da vida de vocês, vocês realmente viveram?"

Antigamente eu chamava de loucos aqueles que simplesmente eram autênticos, verdadeiros. Quem vivia à sua maneira e não como escravo da moda; quem falava o que pensava, e não o que engolia sapos...
Hoje eu percebo que ser autêntico é ser verdadeiro e não louco. Ser auntêntico é o que nos permite viver. Mas ser autêntico numa sociedade massificadora, que prega que o padrão é o "normal", é como remar contra a maré.
O padrão NUNCA será o normal, porque nenhuma pessoa é igual a outra a ponto de haver um padrão. Isso sim é que é loucura, tratar a todos de forma igual! Assim a riqueza das diferenças entre os seres se perde.
Bem, de uma sociedade que ainda é movida por indústrias que usam a produção em série e em massa como padrão de produção e consumo; que vive num modelo de trabalho e de ensino feito para a Revolução Industrial de 1867. O que poderíamos esperar?
Pessoas eternamente insatisfeitas, consumistas, superficiais, frívolas e infelizes. Uma sociedade depressiva, stressada e bipolar! Já nem sei mais se esses termos foram banalizados ou se realmente a sociedade é doente, porque com esse modo de vida é fácil adoecer.
Trágico demais?! Não! Real! Só não enxerga quem ainda não se libertou das garras de uma cultura de massificação.
O que você faz hoje que é autêntico?
Você sente que vive, verdadeiramente, seus dias? Ou eles simplesmente passam por você? E passam cada vez mais rápido como se você não tivesse vivido? (não é essa a sensação que temos a cada ano que passa!?)
Você acorda e segue uma rotina de forma mecânica com um robô? Ou você dita as prioridades do seu dias e vive e faz o que julga importante?! Vive de acordo com seus valores. Aliás, os valores são teus? Ou foram injetados na sua mente pela mídia, por amigos falsos, por ilusões?
Ah...eu sou louca por escrever essas coisas?! E você que é certo por ter sido educado a pensar quadradinho, por viver de forma robotizada, tratado como máquina, cobrado como máquina, avaliado dentro de padrões? Como se existisse um padrão para a singularidade humana...

A vida NÃO foi feita para ser fácil, o ser humano NÃO foi feito para ser máquina, superficial, artificial.
O que é certo: O que a sociedade dita, ou o que a alma grita?
Não sou eu que vou dizer o que é certo, é você!

segunda-feira, 16 de julho de 2012

Sonhos legítimos!


Os sonhos alimentam a alma e dão sentido à vida! Mas como é difícil conservá-los!
Sempre tem algum familiar recalcado e pessimista, ou algum pseudo-amigo invejoso que faz questão de atacar os sonhos alheios.
A sociedade também faz isso fácil fácil tentando enquadrar as pessoas num padrão capitalista de classes sociais, ou você tem e é feliz ou você não tem e é um looser. Ter grana, poder, status, carro do ano, roupa da moda, corpo de boneca (inflável)
Não é a toa que vemos milhares de pessoas a nossa volta sem brilho nos olhos , pessoas sem razão de viver, que perderam ou se desviaram de seus propósitos, acordando a cada manhã sem saber o porquê.  E esses mesmos, vampiros de energia e de vida, são aqueles que minam a nossa alegria de viver, nossa energia, e tentam derrubar nossos sonhos, desqualificando ou menosprezando-os, rindo e dando conselhos mais falsos que suas próprias vidas.
Como podemos proteger nossos sonhos de tantos dardos e obstáculos? Como podemos avançar na luta pelos nossos sonhos nadando contra a maré?!
Fato é que se nossos sonhos estão alinhados com nosso propósito de vida, se estivermos no caminho certo, por mais difícil que seja este caminho, seremos providos de força para superar cada obstáculo por maior que ele pareça.
Aquilo que é o nosso verdadeiro sonho, foi sonhado para nós antes de nascermos! E é muito maior e melhor do que a nossa consciência pode entender.
O melhor ainda está por vir!

terça-feira, 26 de junho de 2012

E quando as ondas te derrubam?



E quando as ondas vêm e você não sabe se continua na mesma direção de antes, se corre o risco, se vai contra a maré...
E quando tudo muda, e o mar turbulento da vida te joga pro fundo do oceano, você toca o fundo, mas consegue voltar...
Voltamos a tona com outras prioridades, outras perspectivas e várias dúvidas.
Para onde seguir? Manter o caminho que a gente acreditava ser o certo, mesmo frente à todas as dificuldades e dúvidas? Será que as "ondas tempestuosas" vieram para que a gente se fortaleça frente às adversidades ou para nos mostrar que aquele não era o caminho certo?
Em todo o caminho sempre haverá um trecho mais difícil, às vezes temos que desviar e refazer a rota, outras temos que passar por ali mesmo e enfrentar os obstáculos.
A grande questão é ter clareza de onde é nosso ponto de chegada, nosso foco, nosso propósito maior, aquilo que rege a nossa vida.
Não tendo clareza desse ponto, qualquer "onda" nos deixará ao léu, sem rumo, por vezes, desamparados.
O que é concreto permanece e se fortalece frente a toda e qualquer dificuldade, esse é o amor, grandioso, soberano e avassalador. O resto é obstáculo e deve ser ultrapassado e superado.  Fora isso ou encontramos atalhos, obstáculos ou armadilhas.
E como identificá-los?
Hoje o que mais encontramos pelo caminho são desvios que nos distraem e dispersam.
O mundo é um especialistas em desvios, distrações atrativas, sedutoras. A porta maior não é a porta certa.
O essencial para que tudo tenha sentido é ter um direcionador.
Você se joga ao mar, simplesmente por que todos estão ali também? Curtindo, pulando ondas, e sendo levadas por elas, sem destino?  Ou ficam boiando até uma onda inesperada derrubar e afogar?
Ou você constrói uma embarcação e leva mapa e bússola? E chega aonde tem que chegar e entende o motivo de cada marolinha que passou por você, de cada pessoa que te ajudou, ou que tentou atrapalhar, e assim te fortaleceu.

A sua vida tem um rumo, um propósito maior?

domingo, 27 de maio de 2012

Domingo!


E essa mania que as pessoas têm de ficar reclamando do domingo a noite, e da chegada da segunda... Inventaram até uma depressão de domingo a noite, um pavor pela música do fantástico. Concordo que o final de semana passa rápido demais, que é muito bom ter esse tempo livre, pra família, para o lazer ou simplesmente para cuidar das nossas coisas, do nosso cantinho, da nossa casa. E, naturalmente, tudo que é bom a gente gostaria de prolongar.

Agora ficar se lastimando pelo fim do domingo e pela chegada da segunda, isso sim é deprimente e não a musiquinha do fantástico. Reclamar só exacerba o fato ou o sentimento ruim; as pessoas tem a triste mania de reclamar de algo ao invés de pensar numa solução, de repensar sua vida, de olhar com outra visão!

Sim, trabalhar não é fácil, não estou dizendo que é, a própria origem da palavra trabalho fala de sua dificuldade: tripalium, do latim, instrumento de tortura.  A maioria das pessoas trabalha para alguém, para alguma empresa e assim, tem que se submeter as regras deste; atuar de forma sistemática, muitas vezes quadradinha minando toda a criatividade que é alimentada pela originalidade do ser. Mas não é por isso que tem que se fazer um drama, se revoltar ou parar de trabalhar; é importante trabalhar em alguma empresa ou organização que combine com você, que tenha reciprocidade de valores e que o trabalho tenha um significado maior do que simplesmente pagar as contas do mês.



Domingo é bom! Bom pra quem acorda no meio da manhã (nem tão cedo, nem tão tarde) toma um café da manhã demorado; contempla o sol da manhã, ou a chuvinha gostosa que bate no vidro da janela; sai pra passear com o cachorrinho que ficou preso a semana toda, vai caminhar; peladar, fazer alguma atividade. Almoça com a família ou com amigos, degusta as famosas receitas secretas da vó ou da mãe, ou faz um churrasco com amigos, vai a bom restaurante; faz a benéfica sestia sem compromisso com horário; assiste ao futebol a tarde, ou algum filminho. A noite planeja a semana, organiza o guarda roupa, pensa em melhorias, repensa ações, sonha! Espera o melhor da segunda, da semana inteira!

Domingo marca o final da semana, onde na segunda não se começa tudo de novo, mas se inicia o novo mais uma vez! Viver é celebrar o novo a cada dia!

Não reclame, viva!

domingo, 15 de abril de 2012

Letting go!


Ficar no status "letting go" de vez em qdo é bom. É saudável deixar as coisas acontecerem e não planejar, não pensar em tudo!
Ás vezes tenho a sensação de que a gente programa e pensa em tudo a todo momento e esquece de viver.
Deixamos os momentos de felicidade escorrerem pelos dedos porque estamos preocupados, olhando em outra direção.
Precisamos dar espaço para as coisas acontecerem. A felicidade acontece na liberdade, na espontaneidade!
Planejar e ter visão de futuro é importante, mas nossa vida não cabe numa caixinha; ela não cabe nem em nós mesmos. A nós só cabe o sopro, rápido e momentâneo; um suspiro que chamamos de vida!

domingo, 26 de fevereiro de 2012

Casais suicidas



Ah os casais...Depois de alguns anos juntos eles acham que o tesão vem de modo automático, que o já foi conquistado vai durar para sempre, que ao se casar não existe mais estágios no relacionamento além dos filhos, ou netos...
Chamo estes de casais suicidas.
Antes jantares românticos, conversas agradáveis, risadas, jogos de sedução.
Depois arroz e feijão, tv, tarefas domésticas e sexo no modo automático.

Quem foi que disse que depois de alguns anos de namoro ou de casamento não é necessário conquistar o parceiro (a) todo o dia? Seduzir todo o dia, tentar se tornar uma pessoa melhor para o outro a cada dia, ousar, surpreender?
Há quanto tempo você não dá ou recebe presentes surpresas, flores ou qualquer outro ato de carinho?
Há quanto tempo já não se vai ao cinema ou ao motel?
O amor não se conserva por si só, ele devem ser conservado com muito afinco e dedicação, pois a cada ano que se passa a relação se torna mais exigente ainda.
Será muito mais difícil conquistar e agradar agora do que no primeiro mês de namoro, por exemplo, onde qualquer beijo era interminável e qualquer gesto de carinho, encantador.

É o maldito comodismo que cria casais suicidas, que entram num modo operandis deprimente.

Se este texto faz sentido pra você é porque é hora de acordar, de viver e de amar como se fosse o primeiro dia e como se não houvesse amanhã!

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

"Agitação"



"Eu não quero a discrição do silêncio. Quero ser a agitação da vida!"


E há os que se incomodam, criticam, se moldam conforme regra e padrões e assim se apagam. Esses são os que não entendem que primeiramente é preciso respeitar o espaço do ser e que se não somos nós mesmos não seremos NADA.
Sempre, quem é diferente, original, espontâneo incomoda. Incomoda e irrita quem justamente não tem coragem e ousadia de viver conforme sua essência.
O nosso brilho ofusca e até cega; é uma pena  porque ao invés disso podería refletir, somar e iluminar um espaço muito maior.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Brilhando em vida



Quando a gente menos espera o melhor acontece.
Quando a gente se distrai a felicidade aparece
Quando a gente relaxa e vive com simplicidade o amor resplandece
Quando se vive momentos assim se entende porque tudo vale a pena.



"Quando a esperança de uma noite de amor
Lhe trouxer vontade para viver mais
E a promessa que a chance terminou
É bobagem é melhor deixar pra trás

Eu tô cansado de sofrer,
Quero dançar sentir calor
E poder só olhar o universo em torno de você
Brilhando em vida, Sorrindo à toa
Só vibrando amor e paz
Sinto a noite, Penso em você
Lembro como é bom amar"

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

DESEJOS PARA 2012



De uns tempos pra cá eu tenho achado clichê essa coisa de Ano Novo; listas enormes de promessas, simpatias e blá blá. Porém é inevitável fazer um balanço do ano que passou e não se pode negar a necessidade de renovar a esperança, a fé, e as forças para mais um ano! Precisamos disso, em um mundo que nos suga cada vez mais a energia, e às vezes vitalidade.
Precisamos de ciclos e Deus nos deu isso; o dia que começa e termina, as estações, as fases da vida... e nós criamos o calendário para registrarmos nossos dias em forma de números!
Imagine se o dia não tivesse fim, se o inverno não acabasse, que aflição! 
Assim como nossa vida nos aflige quando não mudamos o nosso estilo de vida e o modo como vemos as coisas. Mudar é preciso!
Então meus desejos para 2012 são: primeiro de tudo, que tenhamos CORAGEM, afinal tudo começa com ela, ela nos move à ação. Já dizia Aristóteles "A coragem é a primeira das qualidades humanas porque garante todas as outras.
Sejamos otimistas, e sempre (sempre e sempre) devemos ACREDITAR em NÓS mesmos. 
PERSISTA, sim vamos cansar, sim, vamos nos stressar, vamos chorar, vamos nos machucar. Alguém te prometeu um Jardim de Rosas? O que não podemos esquecer é que tudo passa, mas passa para quem continua caminhando e não para quem para no caminho.
Risque a palavra preguiça do seu dicionário, pra mim esse é o pior pecado capital (depois da gula)


Por fim, SONHE, sim SONHE MUITO, mas não alimente ilusões!


E não fique muito tempo aí sentado em frente ao computador porque a VIDA é movimento!